Featured Video

Páginas

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Assú - RN, 21 de Novembro de 2014 Mostra fotográfica e de pintura exibem o talento de alunos de Assú


Nesta quinta-feira (20), alunos da Escola Municipal Professora Nair Fernandes, em Assú, participaram de mostra fotográfica e de pintura que movimentou os corredores da entidade durante toda a manhã e, exibiu todo o talento dos jovens.

Organizado pelas professoras Beatriz Siqueira, da disciplina de História, Antônia Batista, de Geografia, e Francisca Rilma, de Artes, e contando com o apoio da Secretaria de Educação e Cultura de Assú, os alunos do 6º ao 9º ano (Fundamental 2), trabalharam passagens históricas do Brasil em desenhos e pinturas em tela e o patrimônio histórico e cultural de Assú, como os casarões do centro da cidade, em fotografias.

“Eles realizaram uma vernissage contando toda a trajetória do país nesse longo tempo, com pinturas em tela sobre esses momentos marcantes de nossa história e também fizeram uma grande exposição de fotos sobre o passado do município de Assú, com os seus casarões e toda a opulência dos tempos antigos”, lembrou Monalisa Barros, da Secretaria de Educação e Cultura de Assú.

Cine Teatro
No próximo dia 08 de dezembro, a partir das 08h, uma nova etapa desses trabalhos será apresentado ao grande público no Cine Teatro Pedro Amorim. “Nesse dia, faremos uma festa onde iremos premiar e lembrar dos melhores alunos que se destacaram ao longo do ano em diversas categorias, seja do esporte, da dança e também das artes plásticas, como é o caso das turmas do Nair Fernandes que participaram hoje da vernissage e da mostra fotográfica”, ressaltou a professora Beatriz Siqueira.

Na ocasião, o público presente ao Cine Teatro também irá acompanhar uma apresentação da peça O Pequeno Príncipe, encenado por atores-alunos da cidade. “Todas essas apresentações e trabalhos serão no dia 08, nos horários da manhã (08h a 11h) e tarde (14h a 17h) e será aberta aos pais dos alunos e comunidade assuense”, finalizou Monalisa Barros.


SEACOM/Assessoria de Imprensa - PMA

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Mega-Sena acumula, e prêmio pode chegar a R$ 135 milhões


Nenhuma aposta acertou as seis dezenas sorteadas no concurso 1.654 da Mega-Sena realizado nesta quarta-feira (19), em Osasco (SP). No próximo sorteio, que vai acontecer no sábado (22) a previsão é que o prêmio chegue a R$ 135 milhões.

Veja as dezenas: 07 - 16 - 33 - 42 - 50 - 58.

A quina teve 249 acertadores e cada um vai levar R$ 34.739,50. Já a quadra pagará R$ 630,73 para cada um de seus 19.592 ganhadores.

Para apostar
A Caixa Econômica Federal faz os sorteios da Mega-Sena duas vezes por semana, às quartas-feiras e aos sábados. As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país. A aposta mínima custa R$ 2,50.

Do G1, em São Paulo

Empresário que não paga 'alguma coisa' não faz obra, diz advogado


Do G1, em Brasília
O advogado Mário de Oliveira Filho, responsável pela defesa do lobista Fernando Soares, conhecido “Fernando Baiano”, afirmou nesta quarta-feira (19) que, no Brasil, empresário que não paga “alguma coisa” não faz obra pública. Oliveira Filho esteve na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, nesta tarde, para acompanhar o depoimento do cliente dele, que se entregou nesta terça (18) às autoridades policiais. O interrogatório, no entanto, foi adiado para esta quarta (20).

“Acontece uma coisa muito curiosa que ninguém percebe. O empresário, se porventura faz uma composição ilícita com algum político para pagar alguma coisa, se ele não fizer isso [...] E quem desconhece isso, desconhece a história do país. Você pega uma prefeitura do interior, uma empreiterinha com quatro funcionários, se não fizer acerto, não põe um paralelepípedo no chão”, disse o defensor de Fernando Baiano na portaria da PF paranaense.

Apontado pelo doleiro Alberto Youssef como operador do PMDB no esquema de corrupção que envolve a Petrobras, Fernando Baiano, na avaliação do advogado, está sendo usado como “bode expiatório” no processo da Lava Jato. O PMDB nega que Baiano tenha qualquer elo com o partido.

O cliente de Oliveira Filho era um dos dois últimos foragidos da nova etapa da Operação Lava Jato. Até se entregar, ele era procurado pela Polícia Federal e pela Interpol.

Ao depor à PF e ao Ministério Público Federal em outubro, o doleiro Alberto Youssef, considerado um dos líderes da organização criminosa desarticulada pela Lava Jato, disse à Justiça Federal do Paraná que Fernando Baiano fazia a ponte entre a construtora Andrade Gutierrez com a Petrobras.





Secretário do TCU diz que Petrobras gastou cerca de R$ 30 bi sem licitação


Priscilla Mendes Do G1, em Brasília

Durante audiência pública na CPI mista da Petrobras nesta quarta-feira (19), o secretário de Fiscalização de Obras para a Área de Energia do Tribunal de Contas da União (TCU), Rafael Jardim Cavalcante, afirmou que mais da metade das contratações de bens realizadas entre 2011 e 2014 pela Petrobras ocorreram sem licitação. A empresa contratou, segundo o secretário, mais de R$ 60 bilhões em bens neste período, por isso o valor contratado diretamente pela Petrobras, com dispensa de licitação, é de pelo menos R$ 30 bilhões nos últimos quatro anos. Representante da Petrobras que participou da audiência não comentou a cifra. O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da estatal, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Cavalcante participou nesta tarde de uma audiência pública destinada a discutir o modelo simplificado de licitações utilizado pela Petrobras, o qual, segundo Cavalcante, pode implicar “riscos de relaxamento à boa governança”.

“Não temos ainda números definitivos, mas nos últimos quatro anos, eventualmente em bens, a Petrobras talvez tenha contratado entre R$ 60 e R$ 70 bilhões. Levantamentos preliminares, e peço a paciência e a compreensão sobre a higidez desse número, apontam que 60% dessas contratações de bens são feitas sem licitação. Para avaliar, antes do certo e errado, qual é o risco em termos de boa governança corporativo dessa prática e dessa previsão legal?”, questionou o secretário do TCU aos parlamentares.

A audiência pública destinada a discutir o regime de contratações da Petrobras foi proposta pelo relator, deputado Marco Maia (PT-RS), que não compareceu devido a problemas de saúde.
Esvaziada, a reunião contou com participação de cinco técnicos – da Petrobras, do TCU, da Controladoria Geral da União (CGU) e do Ministério Público. Durante a maior parte do tempo, porém, eles falaram a uma plateia composta apenas por três ou quatro parlamentares. O petista Afonso Florence (PT-BA) teve que assumir interinamente os postos de presidente e relator da comissão.

Modelo de contratação
O atual modelo usado pela Petrobras foi instituído por um decreto assinado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 1998. O texto determina que a Petrobras tenha um regime simplificado de contratações e não cumpra a Lei de Licitações (8.666/93), que rege toda a administração pública. Para o relatório que será produzido ao final da CPI, os parlamentares estudam propor mudança no modelo usado pela petroleira.

O decreto já foi questionado junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) diversas vezes, mas a petroleira tem conseguido manter o modelo por meio de mandados de segurança.

O secretário do TCU destacou que o objetivo das licitações públicas é garantir “a certeza da obtenção da melhor proposta” e a prevalência do “interesse coletivo sobre os eventuais interesses individuais de seus agentes”.

Cavalcante ainda criticou a modalidade de convite, frequentemente utilizada pela empresa. O decreto determina que Petrobras envie convite a pelo menos três empresas selecionadas pela própria petroleira.

“Hoje a Petrobras faz ou pode fazer convite em qualquer tipo de contratação em qualquer valor. Você pode fazer convite selecionando três empresas para contratações de R$1 bilhão, R$2 bilhões, R$3 bilhões, basta escolher três”, afirmou o secretário.

Representando a Petrobras, o gerente da área Jurídica de Tecnologia de Materiais, Adriano Marques Manso, negou ilegalidade nas contratações da empresa e afirmou que a dispensa da Lei de Licitações foi necessária para conferir “competitividade” e “agilidade” à Petrobras.
“Para poder sobreviver nesse mercado, é preciso normas para ela competir em pé de igualdade com grandes empresas que atuam no mercado de óleo e gás, por isso a necessidade do decreto”, declarou Manso.

TIM investe para melhorar ‘conexão’ em Natal


A TIM, empresa de telefonia móvel que detém 35% dos usuários no mercado do Rio Grande do Norte, anunciou ontem que concluirá até o final do ano um investimento de quase R$ 44 milhões no estado, valor 17% superior ao do ano passado. “Dentro deste montante destaca-se o projeto Layer, que visa ampliar a capacidade de tráfego, tanto de voz como de dados, reduzir as interferências e aumentar o número de usuários conectados a rede móvel simultaneamente”, informou a companhia ontem, durante visita de executivos à redação da TRIBUNA DO NORTE.
O diretor de redação da Tribuna do Norte, Carlos Peixoto (esquerda), durante visita do assessor regional da TIM, Bruno Ribeiro (camisa vermelha), Roberta Câmara, da área de Relações com Imprensa e Sustentabilidade, e Douglas  Soares, gerente executivo de Operações de Rede da TIM Nordeste
O diretor de redação da Tribuna do Norte, Carlos Peixoto (esquerda), durante visita do assessor regional da TIM, Bruno Ribeiro (camisa vermelha), Roberta Câmara, da área de Relações com Imprensa e Sustentabilidade, e Douglas Soares, gerente executivo de Operações de Rede da TIM Nordeste

Com mais de 90% do projeto alcançado, a TIM espera concluir até o fim de 2014 a implementação dos 34 co-sites 3G com frequência de 2100MHz em diversas regiões de Natal aonde já existem estações com tecnologia de terceira geração, mas na frequência de 850MHz. A perspectiva é que, ao final do trabalho, existam quatro portadoras operando nas duas frequências permitindo, entre outros aspectos, uma melhor capacidade de conectividade dos assinantes aos serviços de dados com uma maior velocidade de downloads e uploads. Atualmente, a empresa está presente em 105 municípios potiguares levando a tecnologia 3G para mais de 58,7% da população urbana do estado.

O Layer se traduz na capacidade de suportar o crescimento de tráfego por parte dos usuários. “O cliente 3G da TIM em Natal já vem experimentando as melhorias que estamos implementando na nossa rede, tanto que já temos registrado aumento no volume de tráfego nos mais de 70 sites que temos instalados na cidade. Hoje temos uma rede mais preparada, que permite um acesso mais rápido aos conteúdos da internet, melhorando a navegabilidade e com tecnologia compatível com os últimos lançamentos de smartphones no mercado”, afirma Douglas Soares, gerente executivo de Operações de Redes da TIM Nordeste. 

Alinhados aos objetivos do Layer, outros projetos de infraestrutura foram desenvolvidos pela operadora em Natal nos últimos anos, a fim de aumentar a capacidade transmissiva, como nos casos do MBB (Mobile Broadband) e do FTTS (Fibra-até-a-Antena) que conecta as Estações Rádio Base (ERBs) à rede própria da TIM. Os projetos, segundo a operadora, mudaram o patamar de capacidade de alguns Mbps para centenas de Mbps no backhaul, permitindo uma maior velocidade de tráfego de dados e melhor qualidade do serviço de banda larga móvel. 

A rede FTTS em Natal foi concluída em dezembro de 2013, com abordagem de 88 ERBs. A meta é concluir as expansões em andamento na cidade de Mossoró ainda este ano. “Em 2015 seguiremos com o mesmo ritmo de investimentos, levando a tecnologia 4G para Mossoró e Parnamirim”, diz Soares. 

Tribuna do Norte

Meio Ambiente: Emissão de gases de efeito estufa cresceu 7,8% no país


A emissão de gases causadores de efeito estufa no país aumentou 7,8% no ano passado, na comparação com o ano de 2012. O levantamento mostra que houve uma mudança de trajetória negativa para o país, uma vez que, de 2011 para 2012, havia sido registrada queda de 4,7%.Arquivo/Agência Brasil
Emissão de gases de efeito estufa cresceu 7,8% no país, mostra levantamentoEmissão de gases de efeito estufa cresceu 7,8% no país, mostra levantamento
Os dados fazem parte do inventário divulgado hoje (19), na capital paulista, pelo Observatório do Clima, uma rede formada por várias organizações da sociedade civil que atuam em mudanças climáticas, entre elas Greenpeace, SOS Mata Atlântica , WWF Brasil  e Instituto Socioambiental.

Segundo o estudo, as emissões passaram de 1,46 gigatonelada (Gt) em 2012 para 1,57 Gt em 2013, considerando todo o Brasil. Todos os setores responsáveis pelas emissões apresentaram crescimento, com destaque para o setor da energia (7,3%) e do desmatamento (16,4%).

De acordo com Tasso Azevedo, coordenador técnico do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima, a perspectiva para os setores, que incluem agropecuária, energia, desmatamento, indústria e resíduos (lixo e esgoto), é crescimento na emissão de gases nos próximos anos.

“As projeções baseadas em dados do ano passado apontavam 1,7 Gt em 2020, sendo que a meta era não passar de 2 Gt. A gente refez essa trajetória, conforme o comportamento atual, e ficou em 2,2 gigatoneladas toneladas em 2020”, disse ele.

O estado que mais contribui para a emissão de gases no ano passado foi o Pará, seguido por Mato Grosso, devido ao desmatamento e à atividade agropecuária. Descontados esses dois setores relacionados ao uso da terra, despontam como maiores emissores os estados de São Paulo, Minas Gerais e do Rio Grande do Sul.

A emissão per capita no país foi 7,8 toneladas, uma redução drástica ao longo dos anos, já que, em 1995 a emissão era 18 toneladas per capita. A redução está relacionada com a queda do desmatamento na Amazônia, mas está, ainda, distante do ideal, um patamar entre 1 e 3 toneladas per capita.

De acordo com André Ferretti, coordenador do Observatório do Clima, as emissões brasileiras representam 3% do total das emissões globais. O país tem 2,8% da população do planeta e responde por 5% do território. Os números, para ele, são satisfatórios, já que, em 2004, o país respondia por 6% das emissões mundiais.

“A gente vem mostrando que o Brasil fez um grande esforço e diminuiu as emissões, mas o objetivo do Observatório com essas estimativas é que possamos detectar tendências, e tentar corrigir ou pensar em novas políticas públicas”, declarou.

*Agência Brasil/Tribuna do Norte

Fábio Faria se compromete a destinar emendas para projetos de assistência estudantil da UERN


O deputado federal Fábio Faria (PSD/RN) recebeu, nesta terça-feira (18), o reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pedro Fernandes, para discutir novos investimentos na instituição.  A conversa foi no gabinete da Segunda Vice-presidência da Câmara dos Deputados, em Brasília, e na ocasião, Faria se comprometeu a destinar os recursos da emenda de bancada para que a assistência aos estudantes da universidade seja ampliada.


“Nosso mandato tem trabalhado pelo fortalecimento da UERN e vamos seguir assim nos próximos anos. Reafirmei ao reitor Pedro Fernandes meu compromisso com a instituição e vamos atuar para a reestruturação da assistência aos alunos, com a construção de residências e restaurantes universitários, centros de convivência e bibliotecas.”, assegurou Fábio Faria.

As emendas ao Orçamento Geral da União (OGU) devem ser apresentadas até o início de dezembro. Além do encaminhamento da emenda de bancada, que contemplará os maiores projetos de reestruturação da Universidade, Fábio também destinará emenda individual para a realização de outras ações. 

-- 
---------------------------------------
Estella Dantas.
(84) 9401-7111

‘Desequilíbrio nas contas é fictício’, aponta Dieese


Roberto Lucena Repórter

Não há desequilíbrio fiscal na situação econômica-financeira do Estado. A crise nas contas do Governo – com implicações diretas no pagamento dos servidores – é provocada, entre outros motivos, pela uso do orçamento no pagamento de despesas de capital, queda no repasse de convênios e falta de planejamento. A conclusão é do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que apresentou uma análise da gestão orçamentária e financeira do Rio Grande do Norte a pedido de alguns sindicatos.

Os dados do estudo foram apresentados ontem (18) à imprensa e tem como base informações colhidas no Portal da Transparência e nos demonstrativos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Constam no levantamento, os dados de receita corrente do Estado, receita corrente líquida, receita corrente disponível, repasses a outros poderes, gastos com pessoal e encargos no período de 2010 a 2013.

Neste período, o Estado obteve um saldo positivo no orçamento de R$ 631,2 milhões (2010), R$ 375,8 mi (2011), R$ 393 mi (2012) e R$ 631,1 mi (2013). No entanto, ao contabilizar as receitas e despesas de capital, o saldo foi sempre negativo: -R$ 394 mi, -R$ 340 mi, -R$ 458 mi e -R$ 269 mi, respectivamente. Orçamento é tudo aquilo que o Estado arrecada com impostos. Nas receitas de capital, estão contabilizadas as operações de crédito, alienação de bens, entre outros.

As contas revelam que o Estado gastou mais do que arrecadou. Mas o resultado final (orçamento disponível menos orçamento de capital) indica saldos positivos no período analisado, com exceção do ano de 2012. Em 2010, o Estado ficou com saldo de R$ 236 mi; um ano depois esse valor diminuiu para R$ 35 mi; em 2012 o saldo ficou negativo em R$ 65 mi e, ano passado, havia R$ 361 mi nas contas do Estado.

“Esse saldo positivo só ocorreu porque o Estado tirou da receita de capital e colocou no orçamento geral”, explicou o supervisor técnico do Dieese, Melquisedec Moreira. “A despesa com pessoal se manteve constante, não representou variação significativa nos gastos do Governo”, acrescentou.

De acordo com o Dieese, os gastos com folha de pagamento não sofreram variação considerável. Ao longo dos 12 anos, a despesa líquida com pessoal do Executivo vem se posicionando dentro do limite prudencial (entre 46,55% a 49% da receita), com média calculada de 48,25%. O órgão apontou ainda que, entre 2002 e 2014, a receita corrente líquida evoluiu de R$ 1,8 bilhão para R$ 7,6 bilhões, o que representa uma variação de 306%. No mesmo período, a despesa com pessoal evoluiu de R$ 883 milhões para R$ 3,7 bilhões. Variação de 320%. “Ou seja, as duas curvas são ascendentes. Não se pode afirmar que o problema das contas é a folha de pagamento”, ponderou Moreira.

Na tarde de ontem, a  reportagem tentou contato, via telefone, com o titular da secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças (Seplan), Francisco Obery Rodrigues Júnior. Mas as ligações não foram atendidas.


Tribuna do Norter

Fernando Baiano será ouvido pela Polícia Federal nesta quarta-feira


A Polícia Federal (PF) do Paraná informou que o lobista Fernando Soares Lemos, conhecido como “Fernando Baiano”, será ouvido nesta quarta-feira (19) na carceragem em Curitiba. Soares é um dos investigados da sétima fase da Operação Lava Jato, que investiga um esquema bilionário de lavagem de dinheiro. Ele é apontado pelo doleiro Alberto Youssef como “operador” do PMDB no esquema de corrupção da Petrobras.

O lobista estava foragido desde sexta-feira (14) e se entregou na terça (18) à Polícia Federal em Curitiba. Ao todo, 24 pessoas já foram presas nesta fase da operação. Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte (PP-BA) está foragido. Onze investigados, que estavam presos desde sexta, foram libertados por volta das 22h30 de terça. Eles foram colocados em liberdade por decisão do juiz federal Sergio Moro.

No processo da sétima fase da Lava Jato que tramita na Justiça Federal, os procuradores da República afirmam que algumas das maiores empreiteiras do país, reunidas em um cartel, combinavam quem ganharia as licitações para obras da Petrobras. Nessas concorrências, ressaltou o Ministério Público Federal, as empresas cobravam o preço máximo previsto nas licitações e depois distribuíam propina em valores correspondentes a 2% ou 3% do contrato a dirigentes da estatal do petróleo.

Os depoimentos estão sendo realizados desde sábado (15). Nesta quarta, também serão ouvidos os três executivos ligados à empreiteira Camargo Corrêa. São eles: o presidente da empresa, Dalton dos Santos Avancini, do vice-presidente, Eduardo Hermelino Leite, e do presidente do Conselho de Administração da companhia, João Ricardo Auler.

Esses três executivos tiveram os mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal do Paraná na na sexta, mas só se apresentaram no sábado, em São Paulo.

Apesar de o prazo das prisões temporárias de Avancini e Auler se encerrar nesta quarta, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, decretou, na terça, a prisão preventiva dos dois executivos. Com isso, não há prazo para a soltura deles. Aos jornalistas, os advogados dos três executivos garantiram que eles não permanecerão em silêncio durante os depoimentos.

Prisão preventiva
Além de decretar a prisão preventiva de Dalton dos Santos Avancini e João Auler, o juiz Sérgio Moro converteu a prisão temporária de outros quatro presos na sétima fase da Operação Lava Jato: Renato Duque, ex-diretor da Petrobras; Ricardo Ribeiro, presidente da UTC; José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS; Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS.

Não podem deixar o país
As 11 pessoas que foram libertadas na terça devem seguir algumas restrições impostas pelo juiz Sergio Moro: eles estão proibidos de mudança de endereço sem prévia autorização judicial e de deixar o país.

Eles também devem entregar os passaportes brasileiros e, eventualmente, de passaportes estrangeiros à Justiça no prazo de cinco dias, além de comparecer "a todos os atos processuais e ainda, perante a autoridade policial, MPF [Ministério Público Federa] e mesmo perante este Juízo mediante intimação por qualquer meio, inclusive telefone", diz um trecho da decisão. O descumprimento das medidas cautelares poderá causar a renovação da prisão cautelar.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Seminário gratuito promovido pelos Correios, RN COMEX reúne especialistas em Comércio Exterior


Com o objetivo de divulgar informações atualizadas sobre Comércio Exterior para estudantes, profissionais de diversas áreas e empresários que exportam ou gostariam de exportar seus produtos, o 1º RN COMEX será realizado nesta quarta-feira (19), às 9 horas, na UnP Ponta Negra, na Avenida Engenheiro Roberto Freire, em Natal. O evento é uma iniciativa dos Correios, com a parceria do Banco do Brasil, da FIERN, da Receita Federal do Brasil, do Sebrae/RN, da UnP e da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico. As inscrições são gratuitas e as vagas limitadas.

Cada uma das instituições que apoia o 1º RN COMEX está representada na agenda de palestras,enriquecendo a iniciativa com informações repassadas diretamente pelos órgãos responsáveis pelo incremento, controle e desenvolvimento das exportações do Rio Grande do Norte. O palestrante André Ramos (UnP) falará sobre Intercâmbio; Mauro Clermann (Banco do Brasil) sobre Operação de Câmbio; Allan Patrick (Receita Federal) sobre Despacho Aduaneiro Simplificado; Laércio Pessoa (Correios) sobre Logística de Documentos Mundi; Ana Carolina (SEBRAE) sobre Acesso ao Mercado Internacional; Otomar Cardoso(SEDEC) sobre Eventos de COMEX no RN em 2015 e Luiz Henrique (FIERN) sobre Balança Comercial do RN.

As inscrições, gratuitas, podem ser realizadas pelos telefones (84) 3220-2426/3220-2427 ou através do e-mail internacional-rn@correios.com.br.


marca-clippingAssessoria de Comunicação dos Correios - ASCOM/RN
Telefones: (84) 3220-2405 / 2472